Chupeta: bandida ou mocinha?

 

Chupeta: bandida ou mocinha?

Vamos a um assunto controverso, o uso da chupeta.

Quando o bebê está sendo amamentado no peito ele sente a sensação de satisfação afetiva, nutritiva e de segurança no colo da mãe. E isso gera conforto …

Todo bebê passa pela fase oral em seu desenvolvimento onde a sucção é uma necessidade do organismo. Alguns bebês necessitam mais ou menos desse estímulo.

Conhecida como sucção não nutritiva, o hábito de chupar o dedo ou a chupeta, gera a sensação de conforto que a criança tem quando está no colo da mãe.

Por conta disso, quando o bebê está irritado, com cólica ou cansado … a chupeta acalma e acalenta.

O uso nesse período de desenvolvimento do bebê é benéfico e aceitável.

Podemos dizer que até próximo dos dois anos a chupeta é mocinha.

A chupeta pode causar problemas para a saúde bucal? Quais?

O uso contínuo da chupeta após os 3 anos de idade pode provocar alterações estruturais no desenvolvimento da arcada dental bem como prejudicar o alinhamento dos dentes da frente, acarretando em problemas estéticos, fonéticos e na mastigação. O hábito de chupar chupeta pode influenciar negativamente na respiração e pode facilitar as inflamações e infecções de ouvido.

A partir de qual idade não é mais indicado o uso?

Segundo a Associação Brasileira de Odontopediatria é recomendável que seja eliminado o uso da chupeta até os 3 anos. Após essa idade ela se torna bandida. O ideal é eliminar o hábito por volta dos 2 anos.

Odontopediatria: Quando levar o meu filho ao dentista?

Como o dentista pode ajudar o pequeno a largar a chupeta?

O dentista pode ajudar nesse processo orientando os pais em como estimular a criança a entender que ela já é grande e não precisa mais da chupeta e que ela pode ajudar doando as chupetas dela para quem realmente precisa. Como reconhecimento pelo ato de ajudar o próximo, a criança pode ser recompensada com um bichinho de pelúcia ou uma almofada fofa. O presente deve ter a mesma função que a chupeta … trazer conforto.

Devemos evitar tirar a chupeta em um momento onde a criança esteja passando por instabilidade emocional. Por exemplo, a chegada de um irmãozinho, mudança de escola … se possível escolha um momento tranquilo para que o resultado seja mais fácil de ser atingido.

Como outras áreas profissionais podem ajudar nesse caso? Exemplo: psicólogo.

Quando todos os métodos ‘caseiros’ se esgotarem talvez seja a hora de consultar um profissional, no caso, um psicólogo, que realizará o diagnóstico e encontrará o motivo pelo qual a criança não consegue largar a chupeta.

Entender que a chupeta tem seu lado positivo e negativo, que ela é mocinha mas também pode ser bandida, dependendo do uso, nos faz compreender que a chupeta pode ser benéfica para nossos filhos desde que seja utilizada de forma adequada. E que no momento certo esse hábito será deixado de lado.

Este artigo foi publicado originalmente no site Canal Itapevi na coluna do Dr. Fernando Utimura


Utimura Odontologia Avançada © 2018 | Todos os direitos reservados.